top of page
Buscar

12 filmes para assistir no In-Edit Brasil

Décima sexta edição do festival de documentários musicais começa nesta quarta-feira (12) 



Por Vinícius Vieira


Começa nesta quarta-feira (12), em São Paulo, a 16ª edição do principal festival de documentários musicais do país, o In-Edit Brasil. 

Até o dia 23 de julho, 62 filmes serão exibidos em diferentes sessões na capital paulista e depois o festival seguirá em itinerância para outras cidades do país.


Entre a seleção de documentários inéditos, nacionais e internacionais, teremos homenagens a grandes nomes da música popular brasileira, como Zé Ketti, Dorival Caymmi, Luiz Melodia, Arrigo Barnabé e, até mesmo, DJ Marlboro, além de filmes sobre diversos nomes da música mundial, como Karen Carpenter, Carlos Santana, Brian Jones, Nick Cave, entre outros grandes personagens.


O Seguimos Fortes selecionou 12 documentários que prometem uma excelente experiência musical e sensorial, e que você não pode deixar de conferir.



NACIONAL


Black Future, Eu Sou o Rio


Dirigido por Paulo Severo, o filme conta a criação do disco Eu sou o Rio, o álbum de estreia da banda de pós-punk carioca Black Future. Lançado em 1988, o disco foi um sucesso de crítica e figurou em todas as listas de melhores lançamentos do ano, no mesmo ano em que discos como Ideologia (Cazuza), Carnaval (Barão Vermelho), Psicoacústica (Ira!), Bora-Bora (Os Paralamas do Sucesso) e Miséria e Fome (Inocentes) foram lançados.

Eu sou o Rio não recebeu nenhuma reedição até hoje e segue fora das plataformas de streaming. Com depoimentos de ex-integrantes, o filme conta a história deste sucesso obscuro do underground fluminense.




Black Rio! Black Power!


Emílio Domingos, diretor do elogiadíssimo documentário Chic Show (disponível no GloboPlay), que narra o principal evento black realizado nos principais salões da cidade de São Paulo, entre os anos 1970 e 1980, lança dessa vez Black Rio! Black Power!,no qual ele debruça sobre a cena dos bailes black surgida no Rio de Janeiro nos anos 1970.

O principal fio condutor do filme é o DJ, jornalista, produtor cultural e ativista negro, Dom Filó, além de outros personagens que narram histórias de afirmação, que levavam milhares de jovens negros prontos para dançar, exibir suas roupas blaxploitation, seus penteados black power e cantar: “I’m black and I’m proud!”, o hino de orgulho negro do padrinho do soul James Brown.




Luiz Melodia - No Coração do Brasil


Se o documentário Todas as Melodias (2020) exibido no In-Edit Brasil, em 2021, sobre a vida e obra de Luiz Melodia, deixou um eterno gosto de quero mais nos fãs do saudoso artista, No Coração do Brasil, dirigido por Alessandra Dorgan, promete entregar toda vida e obra daquele que foi injustamente taxado como “maldito”, mas que se destacou como um dos maiores artistas surgidos no país.

Com grandiosas imagens de arquivos, o grande diferencial deste filme é o fato de termos o próprio Luiz Melodia contando sua trajetória, desde a infância nos morros do Rio de Janeiro, até ser descoberto por artistas como Wally Salomão e Gal Costa, passando pelo sucesso radiofônico, os conflitos com gravadoras e com o showbiz. 




Funk Favela


Dirigido por Kenya Zanatta, Funk Favela aborda toda a efervescência da cena funk paulistana, com depoimentos de personagens que fazem o cenário acontecer, além de trechos e imagens observacionais, abordando as multiplicidades e as contradições deste movimento. Pontuando questões como preconceito e a presença feminina, Funk Favela busca identificar as raízes sociais de um gênero que nasceu e ainda encontra sua maior potência criativa nas periferias das grandes cidades.

Mais underground que o funk brasileiro, impossível.




Viamão


Um dos mais emocionantes documentários dessa edição do festival In-Edit Brasil, com certeza será Viamão. Dirigido pelo músico e compositor mineiro Sérgio Pererê, em parceria com Leandro Miranda e Gibran, o longa documental mostra Pererê indo para a Argentina e Uruguai, em 2016, para uma série de shows e workshops. Ali, ele reencontrou o grupo de percussão argentino No Chilla, com quem já havia gravado o álbum Viamão (2016). A partir deste encontro, a música de Sérgio Pererê surge para questionar a invisibilização da comunidade afrodescendente na Argentina e o filme encontra diversos membros deste grupo que falam sobre esses motivos e reafirmam sua existência.




No Rastro do Pé de Bode


Documentários sobre instrumentos musicais não são novidades para ninguém. A Última Loja de Consertos (2023), que mostra a rotina de um armazém localizado no centro de Los Angeles, que conserva e repara mais de 80.000 instrumentos estudantis, ganhou neste ano o Oscar de melhor Documentário de curta-metragem. Portanto, é para se emocionar com a história genuinamente brasileira contada no filme No Rastro do Pé de Bode, que aborda a sanfona de oito baixos, um dos instrumentos fundamentais na criação do forró e que foi tornada lendária por Januário, pai de Luiz Gonzaga, o “Rei do Baião”.

Infelizmente, o instrumento caiu em desuso, mas o filme dirigido por Marcelo Rabelo  mostra o músico baiano, Rato Branco, percorrendo o sertão da Bahia em busca de instrumentistas que preservam a tradição dos oito baixos, revelando a memória musical da região.




INTERNACIONAL


Omar and Cedric: If This Ever Gets Weird


Dirigido por Nicolas Jack Davies, o documentário aborda a relação de amizade entre o guitarrista Omar Rodríguez-López e o vocalista Cedric Bixler-Zavala, que juntos montaram célebres bandas como At The Drive-In, The Mars Volta, De Facto e Antemasque. O filme explora a jornada dos dois imigrantes estrangeiros a ícones do rock, através da amizade, criatividade e o caminho tumultuado para o perdão e a redenção, abordando temas de sucesso, vício, tristeza, traição e, até mesmo, religião, como é o caso da cientologia.

O título If This Ever Gets Weird, vem da conversa entre Omar e Cedric, em 2000, antes das gravações de Relationship of Command, o disco de maior sucesso do At The Drive-In, com o guitarrista dizendo para o seu parceiro de banda e amigo de infância: “Se isso ficar estranho, prometa que podemos simplesmente parar, pois nada é mais importante do que amar você.”




Mutiny in Heaven: The Birthday Party


O diretor Ian White conta a história de um célebre grupo que ninguém conhece, mas que deveria admirar, o obscuro The Birthday Party, que revelou ao mundo o cantor e poeta Nick Cave. Formado na Austrália, o grupo foi impulsionado pela relação incendiária entre o Cave e o guitarrista Rowland S. Howard. Da vibrante cena de Melbourne dos anos 1970, passando pelos anos de desnutrição e heroína em Londres, até a fuga final para Berlim, a banda criou uma lenda que ecoa ainda hoje. Com um material de arquivo de tirar o fôlego, o filme mergulha de cabeça nas caóticas apresentações da banda e suas relações impetestuosas.




The Legacy of J Dilla


Se estivesse vivo em 2024, J Dilla, um dos maiores produtores da história do hip hop, faria 50 anos de idade.

Neste documentário, dirigido por Esther Dere e Christopher Frierson, conhecemos a mente criativa de Jay Dee, desde a sua juventude, fazendo música no porão da sua casa em Detroit, até o momento que ele começou a trabalhar e contribuir com grandes nomes do rap como De La Soul, The Pharcyde, A Tribe Called Quest, além da criação do super coletivo musical Soulquarians, que além de Dilla contava com grandes nomes da música negra americana dos anos 1990, como D'Angelo, Questlove (The Roots), a cantora Erykah Badu, o cantor Bilal, os rappers Common, Q-Tip, Mos Def, Talib Kweli e Slum Village, além dos músicos Roy Hargrove (trompete), James Poyser (teclado) e Pino Palladino (baixo).

Com esse super coletivo, sob a produção de J Dilla, foram concebidos os discos Things Fall Apart (1999) do The Roots; Black on Both Sides (1999) do Mos Def; Voodoo (2000) do D'Angelo; Like Water for Chocolate (2000) do Common e Mama's Gun (2000) da Erykah Badu.

Realizado a partir de material exclusivo fornecido pela família, o filme também mostra o isolamento do músico para tratar uma estranha doença que levou a morte aos 32 anos, poucos dias depois de lançar sua obra prima Donuts (2006).




The Stones & Brian Jones


Em 1969, ao ser encontrado morto em sua piscina, Brian Jones, guitarrista dos Rolling Stones, inaugurava o famigerado “Clube do 27”, que nos anos seguintes seria integrado por Janis Joplin, Jimi Hendrix, Jim Morrison, Kurt Cobain e Amy Winehouse.

Gênio, símbolo sexual e alma perdida, essas eram apenas algumas das facetas que Brian Jones tinha e que o filme The Stones & Brian Jones tenta mostrar.

Dirigido pelo aclamado diretor Nick Broomfield (de Whitney e Kurt and Courtney), o filme conta com entrevistas detalhadas e imagens de arquivo inéditas até agora, mostrando a vida glamorosa e autodestrutiva de Brian Jones com detalhes nunca vistos.




Carlos


Se no final dos anos 1990, o guitarrista mexicano Carlos Santana, foi apresentado a uma nova geração com o seu álbum Supernatural (1999), que além de trazer o super hit Smooth,  com participação de Rob Thomas (Matchbox Twenty), trazia outras colaborações com Maná, Lauryn Hill, Everlast, Eric Clapton, Dave Matthews e Eagle-Eye Cherry, vendendo 30 milhões de cópias e faturando o Grammy de Álbum do Ano, em 2000. O filme Carlos, dirigido por Rudy Valdez, faz questão de narrar toda a trajetória do músico, desde a sua infância na Cidade do México, entrelaçando entrevistas com o protagonista e sua família com imagens de arquivo recém-descobertas, além de sua lendária apresentação aos 22 anos, no primeiro festival de Woodstock em 1969..

Imperdível.




Karen Carpenter: Starving for Perfection


Sem sombra de dúvidas, o documentário mais triste exibido no In-Edit Brasil será o Starving For Perfection, que narra toda vida, arte, fama e tragédia de Karen Carpenter, que ao lado do irmão Richard formou uma das duplas mais famosas dos anos 1970, os Carpenters.

Sob a direção de Randy Martin, o filme reúne o testemunho de ilustres admiradores e amigos próximos para homenagear o talento da cantora e baterista, além de tentar compreender o seu desejo de perfeição e entender a dinâmica familiar que levou a morte precoce aos 32 anos, em decorrência de anorexia nervosa e bulimia, advindas de um ambiente familiar sufocante.




Siga a programação completa do In-Edit Brasil, além dos horários e locais das exibições.

20 visualizações0 comentário

Commenti


bottom of page